Redescobrindo a ioga

Instituindo níveis em Hatha Yoga é como tentar classificar o inclassificável. Como podemos falar de níveis em uma prática que, se realizada a partir do estado de consciência, nos dá uma nova experiência todos os dias?

Além disso, pode-se também perguntar: onde está a necessidade de estabelecer níveis, mas do ego e sua necessidade de reconhecimento através da comparação e da concorrência? Os níveis são mais uma projeção do ego que procura e anseia pela perfeição que evidentemente carece.

Sim, sim, é verdade que existem diferentes níveis de experiência na prática; todos que praticamos sabem disso. Mas, não nos enganemos, porque quanto maior o nível de experiência prática é mais do que provável que também haverá um aumento notável no ego do praticante.

É normal que isso aconteça, porque como você progride no "domínio natural" de asanas, maior a pontada de orgulho que é vivida. É inevitável que isso aconteça porque é um traço humano, mas isso não nos impede de estarmos atentos a esse risco.

Dizemos que é progredido com um "domínio natural", porque a coisa natural é que, como é praticado, o corpo compreende a demanda que é necessária e acaba fazendo de uma forma completamente natural o que em primeiro lugar a mente parecia impossível.

Prática como se fosse o primeiro dia

Então, como podemos experimentar a prática de Hatha Yoga sem o tamanho do ego tornando-se oversized como progride? Simples, vivendo todos os dias como se fosse a primeira vez que é praticado. Sinta que cada asana realizada é novo. Completamente novo.

Esta atitude obriga a manter a atitude do novato vivo. O que é um presente, porque nos permite redescobrir a asana. Com isso, também nos redescobrimos em cada respiração, em cada detalhe técnico, em cada emoção despertada.

Porque, em cada sensação, em cada pensamento, em cada emoção, há a possibilidade de se reconectar com a nossa presença para ser através do instante presente, o mais puro aqui e agora, o lugar onde as perguntas nascem: o que está acontecendo agora? O que eu percebo? E, talvez, aquele que pode ser o mais importante de todos: quem percebe isso?

Todo ello sólo es posible si se mantiene la mente diáfana y limpia de experiencias pasadas. El asana de ayer pasó, igual que el agua de un río, esa postura ya no es válida, se fue. Hoy, aquí, ahora, la postura del momento presente es nueva, aunque el cerebro y la memoria celular del cuerpo la reconozca. Vivir el asana como si fuera la primera vez que se realiza… ¿Quién tiene esta vivencia? ¿cómo y desde dónde me relaciono con ella?

Esto es lo que cuenta. Las respuestas a estas preguntas nos instalan en la consciencia de ser, obteniendo así el primer objetivo del yoga: la unión con el individuo. Y, desde esa vivencia, experimentar la unidad con el universo circundante. Para así llegar a saber por experiencia propia que lo que pone en los libros no es teoría, sino algo muy real.

Practicar desde la consciencia

Vivir cada día un nuevo comienzo sin el recuerdo de las anteriores experiencias permite la liberación del lastre de la memoria que, en no pocas ocasiones, puede llegar a condicionar, cuando no bloquear, nuestros actos y existencia. Practicar desde la consciencia y no desde la mente.

Permitirse volver a empezar con la inocencia de un niño es concederse una nueva oportunidad en la práctica del yoga y en el resto de la vida. Abrir la puerta a una nueva investigación cada vez que se entra en la esterilla es tener la oportunidad de volver a empezar desde cero. No importa en el punto en que creas estar, importa que te des cuenta de dónde estás, de verdad.

No saber nada, olvidarlo todo: la técnica, la tradición, al maestro, a uno mismo… En realidad, si esta forma de mirar se sabe trasladar al resto de las cosas, hoy, aquí, ahora, todo vuelve a ser nuevo. Por ello, entregarse a la práctica es entregarse a la vida para darse la oportunidad de redescubrirse a uno mismo formando parte de todo.

Emilio J. Gómez, professor de yoga de silêncio dentro da escola de yoga.

info@silenciointerior.net

www.silenciointerior.net

Outros artigos sobre , ,
Por • 16 de novembro de 2012 • seção: Asanas, Geral, Silêncio interior