Yoga Restaurativa: paragem natural

El yoga restaurativo es muy necesario en estos tiempos en que el estrés y la vida vertiginosa están haciendo estragos en el cuerpo y en la mente. Este yoga supone una invitación, en primer lugar, a parar, a reencontrarse con uno mismo, a conectar con el verdadero descanso que necesitamos, a través del cuerpo y de la mente. Escribe José Manuel MartEu(Salé)um.SA.

Uma parada que também é uma realização para voltar gradualmente para nós mesmos. Reunidos com o nosso estado atual, para o início da cura, do retorno ao equilíbrio natural, é reconhecer o nosso estado atual, por ousar olhar dentro de nós mesmos e ver como nos sentimos, como a nossa respiração é, o que nos incomoda, o que nos machuca, o que a opressão, tensão ou bloqueio pode ser sentida no peito, na garganta ou em qualquer outra área do corpo.

E de lá, deixe ir, aprenda a relaxar, para se levar pelas posturas cuidadosamente oferecidas que o convidam a fluir da quietude e da respiração natural. Você não pode olhar para o outro lado. O yoga oferece não é uma pílula imediata para o sucesso, como tudo o que pretendem vender-nos em nossa sociedade de consumo. É um verdadeiro compromisso de si mesmo para a sua própria saúde física e mental, é uma consciência. A partir deste compromisso, de que se atrevem a olhar para um, para sentir, para ouvir uns aos outros, para reconhecer oneyourself: Yoga abre portas inimagináveis de consciência, paz, relaxamento, harmonia, plenitude...

Posturas, monitorando o movimento de respiração, atenção às sensações corporais... tudo isso é um mundo para investigar a partir do momento presente. Não são posturas comuns de Yoga restauradora, mas posturas meticulosamente adaptadas, por meio de suportes e acessórios, às necessidades da pessoa. Eles são posturas para ser capaz de realmente liberar todo o corpo e tornar-se plenamente e relaxado consciente disso, para permitir que ele se acalme, para suavizar, para respirar, para esticar passivamente, para criar espaços em sua coluna e em sua consciência, para ser ouvido de todo o seu ser.

En el yoga restaurativo, aunque se instala un equilibrio entre el hacer y el no hacer, pues el principio del equilibrio es primordial en el yoga, en ningún momento se superpone el hacer al no hacer, no se da prevalencia a un hacer “ansioso”, que evita la parada consciente y meditativa y que está colonizando nuestro modo de vida, afectando también al yoga y a su propia esencia.

El milagro del no hacer

Una de las características del caótico modo de vida actual es que todo es hacer, parece que eso de parar es una pérdida de tiempo, algo infructífero. Vivimos en la cultura del hacer. Por eso el yoga restaurativo nos permite redescubrir el tesoro del no hacer, o milagre repousante de deixar a vida, a vida, a força vital, a gravidade. Isso restaura nossa relação entre ação e inação de uma atitude harmoniosa e pacífica, de um corpo que não resiste, mas permite o fluxo natural da vida. Quando as resistências se soltam e se dissolvem, surge a verdadeira harmonização energética. E ele retorna à essência do yoga lendário, onde cada asana, Patanjali aponta, deve ser estável e sereno (sthira-sukham) e também estar livre de todo o esforço (prayatna saithilya).

Como Charlotte Bell escreveu, em termos do domínio do yoga e posturas, "o que é necessário é muito mais desafiador do que simplesmente executar posturas sofisticadas. O que é necessário é uma mente e um ego que possam estar presentes, sem o desejo de mais o melhor. É a presença calma que pode ficar com o que é, não importa o que a nossa postura parece ou a dos outros."

Aprender a deixar-nos levar e sustentar, confiar da inacção, abandonar-se até ao momento presente, é outra ferramenta de grande cura. É por isso que no yoga restaurador, as posições prevalecem onde estamos principalmente deitado, descarregado, passivamente ou semi-passivamente, permitindo que todo o nosso corpo para alcançar os suportes perfeitamente preparados para nos sustentar. Parece fácil, mas é um grande desafio. E uma grande surpresa para descobrir os imensos benefícios dessas posturas que são reforçadas, aprendendo a permitir a cessação de todo o esforço voluntário ou mesmo involuntário. O corpo e a mente realmente relaxam, o sistema de passe-simpático é ativado, e isso certamente nos regenera.

Restauração dos recursos naturais

Yoga restaurador poderia ser definido como uma prática de yoga consciente, porque yoga consciente, porque yoga consciente, que o cuidado, aquele que não processa, que se torna consciente do que está aqui e agora para nós, é o veículo integrador que canaliza toda a sessão. De uma consciência aberta, de uma receptividade que não é reativa, mas inclusiva e aberta. Uma integração de múltiplos fatores, como o corpo, respiração, emoções, mente, sensações internas, propriocepção, etc.

Todo es observado, integrado, sensiblemente escuchado, desde una atención relajada, desde una percepción espontánea y abierta de la vivencia que hay para uno mismo en el momento presente. Por eso se le llama restaurativo, porque esta práctica es profundamente restauradora. Restaura lo natural, nuestros recursos naturales para estar en armonía y en equilibrio con la vida, eso que posiblemente haya quedado perdido u olvidado, ocultado por el estrés, las tensiones, la fatiga, la inconsciencia corporal, la dispersión mental, las preocupaciones, el ajetreo y agotamiento diario, el piloto automático, la atención multitarea… Todo esto nos va sacando de nuestro centro natural, de nuestro equilibrio.

Y el yoga restaurativo propone facilitar este encuentro sensible y consciente con nuestras potencialidades, con lo que somos, con lo que puede restaurarse: la capacidad de vivir, conscientemente, con todo nuestro ser (cuerpo, mente, emociones…), aquí y ahora.

José Manuel MartEu(Salé)um.nchez (Albacete, 1983), es licenciado en Filología Hispánica por la Universidad de Murcia. Máster en Psicología Humanista. Profesor-Máster de Yoga por la Escuela Internacional de Yoga y especializado en Yoga Restaurativo y en Meditación por esta misma escuela. Director del centro de Yoga Prana em Albacete.

Ele escreveu vários livros, que incluem: Buscando la paz interior, Hacia el despertar espiritual e La luz de la conciencia. Palabras en la no-dualidad.

Mais informações: www.Prana.es

Facebook: https://www.facebook.com/josemanuelmartinezsanchez

Outros artigos sobre ,
Por • 20 Sep, 2018 • Sección: Assinaturas