A viagem para o interior, necessário para a paz interior

Não é um jogo, não é um luxo, não é um hobby; é uma necessidade específica do ser humano. Quero dizer a jornada para dentro, o encontro consigo mesmo, a tentativa de se tornar o que é e não o que os outros querem que seja. É a jornada para o centro, para o núcleo do núcleo, para a essência. Escreve rua Ramiro.

(c) pode Foto stock/Artranq

É a jornada de regresso, o regresso a casa, a exploração de si mesmo para descobrir, saber, re-saber. Caso contrário, estamos tão hipnotizado por todo o exterior que estamos irremediavelmente alienar, vivendo de acordo com os desejos e velhos padrões de outros, centrifugação de tal forma que nós nos dissociamos seriamente e ficamos doentes com ansiedade, depressão, raiva, profunda insatisfação e amargura.

Você tem que se recuperar, empreender a recuperação do centro em si, para torná-lo um inimpregnável e ser você mesmo além da imagem, auto-imagem, aparências e frusleria. Esta jornada deve torná-lo um propósito inabalável, um objetivo inspirador. Estamos muito no resto que não sabemos como estar em nós mesmos. Muitas vezes devemos ler as seguintes palavras de Jung:

“La externalización conduce a un sufrimiento incurable, porque nadie puede entender cómo puede uno sufrir a causa de su propia naturaleza. Nadie se sorprende de su propia insaciabilidad, sino que la considera parte de su patrimonio, sin darse cuenta de que la unilateralidad de semejante dieta para el alma le llevará, en última instancia, a desequilibrios gravísimos. Es esto lo que genera la enfermedad del occidental, que además no descansa mientras no ha contaminado al mundo entero de su voracidad y desasosiego”.

Através da jornada para o interior, ganhamos em autoconhecimento e paz interior. Não há nada a pagar por um momento de paz, como dizem os Yogis. Para fazer isso você tem que saber como ouvir e entrar em si mesmo. Fora é divertido e interteming, mas a quietude só pode ser encontrada em si mesmo. Se nós somos tanto no outro (otreity) que nós já não sabemos como estar em nós mesmos (sameness), nós somos um Ulysses circulando para a frente e para trás sem começar a compo seu repouso.

A meditação é o regresso à casa interior. Para quebrar o fascínio alienante das forças centrífugas, aprendemos a parar e estar em nós mesmos, além do pensamento que anseia ou rejeita. Parou. Nem mesmo um cavalo de corrida se não parar? Pare de ser. Para tirar alguns minutos das forças que nos impele a alienar-nos, para acalmar a mente e obter a experiência reveladora de estar em tranqüilidade reconfortante.

Calle Ramiro

RamiroCalleMais de 50 anos tem sido Calle Ramiro ensinar yoga. Ele começou a ensinar em casa e criou uma academia de correspondência de ioga para toda Espanha e América Latina. Em janeiro de l971 abriu sua Centro de Yoga Shadak, que já se passaram mais de meio milhão de pessoas. Seus 250 trabalhos publicados incluem mais de 50 anos dedicados à ioga e disciplinas relacionadas. Ele fez Yoga a finalidade e o sentido de sua vida, tendo viajado centenas de vezes para a Índia, a pátria do yoga.

Assista o Facebook de Ramiro Calle:
https://www.facebook.com/pages/Ramiro-ACalle/118531418198874

Outros artigos sobre
Por • 16 de janeiro de 2017 • seção: Assinaturas, Calle Ramiro