Histórias para compartilhar / virou meu sonho: fundar uma ONG na Índia

Cristina mora em Varanasi, por amor, por amor a vida e a Índia. Sua história e a simplicidade com que conta sua aventura da vida nos enche de inspiração, como seus sonhos, que se tornou uma realidade. Ela é fundadora de uma ONG com uma agência de viagens muito especial.

Cristina Iglesias

Meu nome é Cristina Iglesias. Nascimento de Madrid, de uma idade muito jovem e sem saber muito bem por que me atraiu para a Índia. Um mapa do país decorado meu quarto por muito tempo, mas levou nada menos que 23 anos então meu sonho estar aqui se tornou uma realidade.

Estudei o trabalho social com a ideia de cooperar, mesmo que você realmente sonhou em ter a minha própria ONG na Índia e ajuda a todos aqueles que precisam.

Em 2011, viajei primeiro para este país com um grupo de meditação do budismo tibetano, a que pertencia. Fizemos uma peregrinação aos lugares diferentes onde Buda tinha sido e terminou a turnê, em Varanasi. Quando eu vi ghats, as vacas, o Ganges... me apaixonei com este lugar que, durante anos, sonhei.

A Espanha três meses, decidiu voltar para a Índia de férias e outro passou 15 dias no norte da Índia, terminando novamente em Varanasi.

Desta vez foi o retorno à Espanha com a determinação de vir viver aqui em Varanasi há alguns meses e ver como me sentia. Por isso pedi uma licença no meu trabalho (trabalhado em uma equipe de apoio para pessoas com doença mental em Madrid), fechei minha casa, vendida muitas das minhas coisas, eu organizei os papéis do colégio da minha filha (então Ananda foi 8 anos de idade), e no mês de agosto de 2012 chegar l como dois a Varanasi. Só a experiência de estar aqui, não vieram procurando nada em particular, realizar esse sonho que tinha habitado em mi tanto tempo.

Como um trabalhador social da vocação, Comecei a trabalhar como voluntário em uma ONG espanhola. 5 meses de voluntariado, falei com o diretor e decidimos que ele ficaria como um cooperador. Assim, eles passaram 3 anos... 3 anos em que enquanto minha filha estudava em uma escola bilíngue de índio, passei muito tempo a esta organização, enquanto os dois gostava de viver aqui.

No mês de abril de 2015, por razões pessoais, decidi deixar a ONG, mas não queria deixar a Índia, então eu tentei procurar trabalho noutro lugar. Não é fácil encontrar um salário bom trabalho para um ocidental em Varanasi, mas Tive sorte de ser contratado no colégio onde estudou com minha filha como responsável da cantina.

Assim, nasce em mim uma ONG

Em outubro de 2014, conheci dois atores espanhóis, Ivan Hermes e Vicenta NdongoEnquanto estavam em Varanasi por alguns dias. Durante a sua ficar aqui, Ivan e Vicenta noivos relação com um rapaz de 15 anos de idade, Edvan, cuja família tinha dificuldades económicas, o que o obrigou a trabalhar como um barqueiro no rio Ganges. Vicenta Ivan decidiu ajudar Edmilson e pediu-me para apoiar como intermediário. Após várias entrevistas com ele e seu pai e depois de receber dinheiro de Espanha, eles conseguiram abrir uma mercearia que ainda é o principal meio de subsistência da família.

Quando eu estava desempregado e antes de começar a trabalhar na cantina da escola, inspirada na história de Edmilson de repente Ela surgiu em mim a ideia de fundar uma ONG que tinha o mesmo objetivo que conseguimos com isso: ayudar pessoas ou desfavorecidos famílias para tornar-se auto-suficiente. Oferecer às pessoas ferramentas para dar-se a sair da pobreza e ser independente, desde que o ONG´s muitas vezes criar dependência a seus usuários... Eu não queria isso, mas que as pessoas, depois de receber ajuda, andam sozinha...

Eu compartilhei minha ideia com Ivan e Vicenta e meu amigo Ravi, um guia local em Varanasi que estabeleceu relação na minha primeira viagem e tudo decidido para criar Swawalambi, nossa ONG recém nascido com escritórios na Espanha e na Índia.

Mas a ONG não é um negócio. Não é algo de que eles pretendem viver, mas uma maneira de trabalhar para a sociedade, uma forma de ajudar a quem precisa. Não espero obter benefícios materiais de Swawalambi, mas a vida segue lá e lá são despesas a cobrir, especialmente sendo sozinhos com uma garota na Índia.

Então, enquanto eu estava na cantina e planejou o trabalho de Swawalambi, juntamente com o Ravi, começamos a desenvolver uma empresa de viagens pequenas, Serviços de Sangha, oferecendo ao público uma viagem cultural original, destinado a pessoas que vêm para a Índia para saber de dentro da cultura, tradição e espiritualidade deste país. Damos-lhes palestras nas primeiras horas da manhã, então eles têm tempo para fazer perguntas e entender cada tópico de suas raízes, e à tarde, fazemos saídas ou atividades, como uma espécie de ioga, massagem ayurveda, música de concerto, etc.

O "Viagem do conhecimento da cultura indiana" tornou-se uma realidade pela primeira vez em agosto, quando um grupo de 10 pessoas veio com a gente. A experiência foi maravilhosa para todos os viajantes e os organizadores, e estamos agora a promover outra viagem para o Natal.

Além disso vai continuar a fazer a viagem a durante todo o ano e expandiu os serviços da empresa.

Embora ele não seja uma viagem se "espiritual", que é o que muitas pessoas estão olhando para a Índia, a espiritualidade é um aspecto importante da viagem, A Índia é, sem dúvida, o berço da espiritualidade e ainda vive de uma forma muito directa nas ruas da cidade com seus rituais, seus templos, seus festivais devocionais.

Tentamos cuidar do espírito de nossos viajantes, porque sabemos que A Índia é um país que "sua vez". Aqui está a chegar ao outro mundo. Índia cada vive em sua própria maneira; Alguns vêm em busca de seu "guru", outros querem melhorar a sua prática de yoga, outros são simplesmente curiosos por essa cultura de que ouvimos tanto sobre o Ocidente e ter tanta influência em muitos aspectos de nossas vidas. Mas a Índia toca-na todos. E isso também é espiritualidade...

Índia, uma experiência transformadora

Tenho observado nestes anos que, involuntariamente, uma viagem para a Índia chegar aquela parte que todos temos que trabalhar, e é diferente em cada um. Se você é impaciente, você trabalhará com paciência; Se você é mesquinho, generosidade; Se você é muito espiritual, você executar em uma realidade materialista... e se você é materialista, ver espiritualidade... mas você tem que se preparar porque c!seguro então haverá uma mudança dentro de você!

Então, finalmente e após alguns meses de incerteza e não se sentir bem com o trabalho na lanchonete, eu decidi concentrar minha energia e dedicação a estes dois projetos que nasceram do coração: Swawalambi e serviços de Sangha.

Para mim viver na Índia é certamente uma experiência única. É quebrar conceitos, abrir a mente, deixar o julgamento e acima de tudo é ser muito viva, porque Aqui a vida é muito viva!

Pessoalmente eu adoro Índia há anos, e desde que estou aqui eu amo ainda mais. Se é verdade que ele está passando por muitas mudanças devido à globalização e a era tecnológica, é também verdade que mesmo Ele retém muita pureza e raízes de uma cultura antiga.

Assim que eu gosto de fazer viagens, porque eu quero transmitir para as pessoas que vêm a Índia tão fascinante que este país oferece tudo: yoga, ayurveda, música, templos, rituais, Budismo... e tantas outras coisas!

Quem ama, Índia, ama para sempre... E, felizmente, ainda vivo meu amor por ela...

Cristina Iglesias é fundador da Swawalambi e serviços de Sequeira

-ONG: www.swawalambiong.blogspot.com

Sangha - serviços: www.sanghaservices.WiX.com/Sangha-Services

Outros artigos sobre
Por • 5 de novembro de 2015 • seção: Histórias para partilhar