Ioga, a sabedoria do coração

Yoga é União, União de corpo, mente e espírito, dentro - I - com a União do mundo, a tudo. E nesta União que termina em harmonia, há uma maneira, um processo de discernimento, onde a capacidade de encontrar o meio termo e reconhecer o que é completa e consistente para um que mesmo suposto motor de prática. Jose Manuel Martinez Sanchez escreve.

sabedoria do coração

A prática de yoga, obviamente, vai além da esteira e a sala de ioga, vai muito mais longe. A maneira em que interagimos com o mundo e como nos sentimos conosco mesmos e isso é reflexo da prática e também é a razão para o mesmo. Portanto, a prática de yoga é dada a cada vez, e cada vez que o asana ou atitude perante a vida tem de ser praticado desde os princípios do yoga são resolvidas de cada dia: calma, consciência, atenção, harmonia, sensibilidade, equilíbrio, paz... Todos estes elementos constituem fundamentos da prática, empresa de molas que acompanham-nos para ficar na posição, dinâmica, ou silêncio ou meditativo. Qualquer tempo a vida é ioga ao vivo.

Existem muitas visões do yoga, possivelmente tantos como as facetas da vida. Yoga da ação, devoção, sonho, som... Maneiras de se juntar a vida e harmonizar-se com ele, formas que são uma paleta de cores que, em última análise deve não separar-do seu substrato ou essência.

Se poderia falar da essência do yoga é a capacidade de controlar as flutuações mentais assim atingir o samadhi ou estado de perfeita, mas perderíamos em ideais, se a essência de algo torna-se um objetivo, ou em algo muito rígido e forçado se falamos c ontrol da mente; Creio, portanto, que devemos esquecer aquela antiga nomenclatura de yoga - possivelmente mal interpretado - que pode levar a muitos mal-entendidos. Vale mais a pena entender Yoga como uma arte como uma disciplina rígida, como um fluido e consciente que, como uma luta com pensamentos ou o ego...

a consciência é capaz de abrir os olhos e deixe-nos, em vez de lutar contra os fantasmas inexistente, descubra sua falsidade. E é a única maneira de não perder-nessa luta contra o falso ou que rejeitam Deixe-nos concentrar na coisa real, Essa essência, o que somos... É a única coisa que pode nos libertar. E o que acontece agora, em cada momento. O caminho da consciência é sempre agora, ao contrário da mente, que sempre marcam sonhos futuros, calendários.

O coração, o sentido da prática

Podemos lembrar de Ramana Maharshi para nos trazer para esta ideia do yoga autêntico, dizendo que a centralização no coração era a essência de todos os yogas. Já não falamos sobre o controle do ego, mas um domínio consciente ou uma força natural, mudando a vida de sua essência: o coração. E a partir daí, o pranayama (controle da respiração), por exemplo, não ser forçado mas fluido, não será controlado em seu sentido egoísta mas sabiamente canalizada. Esse controle será fornecido e será espontâneo, natural, fluido... Só assim daremos conta que vai na direção certa e o coração vai na mesma direção. Se não, seria apenas um trabalho mental, com muito poucos resultados a longo prazo e muitas desvantagens.

É muito aconselhável viver este yoga do coração -do fundo do coração-. É, sem dúvida, o centro de todas as yogas, abrangência e compreensão da prática, o apoio espiritual do caminho do iogue. Respiração é a ponte que conecta e comunica-se corpo, mente, emoções e espírito... O coração é a intenção e o sentido da prática, o que nos leva a viver das raízes do nosso ser, na vocação de amor sinceras. Um amor que é evocado em cada respiração, o que é inalada e exalada como incentivo não só físico, mas da alma, da vida dentro de nossa adesão - simultaneamente - tudo.

José Manuel Martínez Sánchez (Albacete, 1983), es licenciado en Filología hispánica por la Universidad de Murcia. Máster en Psicología hHumanista. Profesor de Yoga y Meditación. Director de la escuela de yoga Prana en Albacete.

Ele escreveu vários livros, que incluem: À procura de paz interior, para o despertar espiritual e A luz da consciência. Palavras não-dualidade.

Mais informações: www.Prana.es

Outros artigos sobre
Por • 11 de fevereiro de 2016 • seção: Assinaturas