Meu lugar na sala de ioga

O espaço físico que é usado para a prática de Yoga é geralmente um lugar brilhante, sem marcas ou sinais que determinam o praticante demais. No entanto, acontece frequentemente que permanecem em um pouco enquanto, o praticante é identificado com uma única porção desse espaço físico, em seguida, quer retornar como se ele pertencesse a ele. Escreve Paulo Rego.

aula de yoga

A primeira experiência

Chegar pela primeira vez a centro de Yoga prática, se o corredor de uma escola, centro ou ashram, um parque ou em qualquer lugar no mundo válido para desenvolver uma sessão, é uma experiência nova, particular e virgem. Da mesma forma que ocorre sempre que fazemos algo novo, empreendemos uma viagem ou, se for capaz de reciclar nos cada um tempo e realmente esvaziar nossas mentes das expectativas, quando começamos uma meditação.

Como em quase todas as áreas da vida, também nesta situação se manifesta a anexo. Não é que isso acontece com uma ou duas pessoas; É algo bastante comum e difundida. Depois de ter concluído uma primeira sessão de treinos em um determinado lugar, é muito provável que devemos olhar para na próxima repetição da localização física dentro do quarto, instalando-naquele canto que escolhemos, como se sempre tivéssemos sido lá.

"Este é o meu lugar," é o que geralmente é ouvido. E é incrível como algumas pessoas dar rodeios incríveis acima novamente naquele ponto do universo, movendo-se para outra ou simplesmente à frente de tudo para ser o primeiro para ocupá-lo.

Esta situação é interessante porque ele pode nos ajudar a entender como vício manifesta-se quase absurdamente em algo produtivo para definir um lugar fixo e imutável para a prática, mesmo que podemos experimentar a sessão em um lugar diferente de cada vez, enriquecendo-nos com tão pouca experiência.

Um lugar, outro ou qualquer

Podemos dizer que se é possível escolher o local dentro de um espaçoso quarto talvez no ato de determinar um ou outro lugar intuição ou percepção da energia do lugar para falar. Luz, temperatura, aberturas e até o resto do povo será condição o espaço e a nossa escolha. E é válido para determinar um lugar pela primeira vez usando esses parâmetros.

Mas após a primeira eleição é também bem possível que fiquemos presos pela primeira experiência e que, embora seja possível que certos parâmetros foram alterados em relação ao primeiro, volta ao mesmo lugar pela imagem que criamos em nossas mentes do lugar e sobre nós mesmos em relação o espaço físico e outros.

Eu poderia ser interessante para manter um olho sobre os sentimentos ruins ou vibração para determinar onde não quero ser, porque se algo acontecer estaremos propensos a desequilibrar-nos e nos vai custar para harmonizar a mesmos durante a sessão. Mas se não há nenhuma razão aparente para manter sempre o mesmo local na sala, por que fazê-lo? Por que não jogar e mudar o site como se estivéssemos sempre a mudar a experiência?

Praticando o desapego

Como parte da prática do desapego é interessante notar a possibilidade de Evite rotinas desnecessárias que impedem-nos para nos enriquecer. Sempre que temos a possibilidade de modificar a nossa percepção e nossa prática para além do ambiente estaremos fortalecendo nossa experiência e soltando amuletos ridículos como um canto de um espaço físico que não é nossa.

Assim mesmo, além da sessão de Yoga, durante o resto do tempo, esta situação é repetida muitas vezes. A estrada que leva para ir de um lugar rotinas que adotamos para fazer determinadas tarefas, pode dar a outro, a chave de como muitas vezes Nós nos identificamos com elementos externos Criando uma ideia do mundo em que estamos presos em seguida.

Obviamente, existem muitas destas questões que têm para com a organização das tarefas, resultando possivelmente lógico apoiar. Mas é muito provável que fora essas situações, na maioria dos casos, podemos experimentar a mesma situação de maneiras diferentes.

Na sessão de Yoga, sempre temos a oportunidade de mudar isso, provar sensações, experimentar. E é muito possível que atravessam esta pequena mudança ajuda nos transformar, nem um pouco, a percepção que temos de nós mesmos e se livrar da rigidez que nossas próprias mentes sempre nos convida a manter.

Paul Rego. Professor de yoga. Diploma em medicina Ayurveda da Índia. Masajista-Terapeuta Holística.

http://yogasinfronteras.blogspot.com

Ser sociável, compartilhar!

Você gostou deste artigo?

Subscreva a nossa RSS para que você não perder nada

Outros artigos sobre
Por • 10 de junho de 2016 • seção: Assinaturas